sexta-feira, 31 de julho de 2009

sonho compartilhado

Sonhos compartilhados

Definição. Sonho compartilhado é a experiência onírica complexa aonde as imagens oníricas supostamente são compartilhadas espontânea ou intencionalmente, por dois ou mais participantes, nos três planos de atuação da mente humana: ativa, onírica e transpessoal.
Nomes. Outros nomes pelo qual é conhecido:

1. Experiência onírica compartilhada
2. Imagem onírica compartilhada
3. Revoada de sonhadores
4. Sonho coletivo
5. Sonho conjunto
6. Sonho grupal
7. Sonho mútuo
8. Sonho objetivo
9. Sonho simultâneo


Experiência. É comum dois sonhadores se encontrarem na vigília ativa e ao narrarem os seus sonhos percebem que eles tem o mesmo conteúdo, com grande riqueza de detalhes. Por exemplo, o sonhador “A” chega para um amigo seu e diz “sonhei que estávamos pescando” e o sonhador “B” diz e “pescamos uma tainha”. Esse fenômeno recebe o nome de sonho compartilhado.
Compartilhado. O sonho compartilhado é importante por vários motivos e entra na composição de diversos fenômenos oníricos. Seu estudo possibilita a compreensão de vários aspectos oníricos de que outro modo não poderia ficar adequadamente esclarecido
Teoria. Segundo LaBerge os sonhos compartilhados seriam o compartilhamento do enredo dos sonhos e não dos sonhos em si. Pertenceriam ao domínio dos sonhos telepáticos. Para essa teoria dois ou sonhadores teriam contato telepático entre si e provocariam os enredos simultâneos. Como veremos a diante, há componentes de verdade nessa teoria.
Negação. Existem pesquisadores que negam a telepatia ou paranormalidade nesse fenômeno, pois pessoas conhecidas podem, subliminarmente, registrar em suas mentes informações sobre o companheiro e uma vida intima predispõe a viver sonhos semelhantes, porém quando o conteúdo de tais sonhos não pode ser explicado desse modo então pode ser que haja uma correlação paranormal.
Elementos. Elementos do sonho compartilhado:

1. um sonho;
2. dois ou mais sonhadores;
3. mesmo enredo;
4. comportamento emocional parecidos;
5. rememoração conjunta

Tipos. Os sonhos compartilhados podem ser:

1. Espontâneos lúcidos
2. Espontâneos não lúcidos
3. Provocados ou induzidos lúcidos
4. Provocados ou induzido não lúcidos

Rememoração. Quanto à rememoração os sonhos compartilhados podem ser:

1. De um participante parcial
2. De um participante total
3. De dois ou mais participante parcial
4. De dois ou mais participantes total

Técnicas. Existem diversas técnicas para se produzirem os sonhos compartilhados
Casos. Casos de sonhos compartilhados: "Em janeiro de 1987, Kay sonhou:

'Tornei a experimentar[ a escola], sentindo-me realmente confiante Toda a gente gostava de mim e eu tinha consciência disso e realmente me sentia bem. Havia uma bandeira na sala de aula e comecei a cantar 'America the Beatiful’, fazendo som que todos me acompanhassem. Na mesma noite Mitchel sonhou: 'Um bom número de pessoas em um restaurante (talvez todas) levantou-se e cantou a moda de 'brinde'. Sinto-me 'absorvendo' algum tipo de orgulho patriótico especial... é muito bom. Fico de pé e, orgulhosos reconheço essa sensação."

Negativos. Pode haver sonhos lúcidos compartilhados negativos aonde pesadelos e sonhos negativos são compartilhados pelos sonhadores. Por exemplo, viciados em drogas, podem ter ligações psíquicas que induzam aos sonhos compartilhados negativos.
Lúcido. O sonho lúcido compartilhado é a experiência onírica lúcida em que dois ou mais sonhadores lúcidos se encontram em sonhos lúcidos. Nos Estados Unidos existem grupos com muitos participantes que tem sonho lúcido compartilhados.
Comunicabilidade. Os sonhos telepáticos e os sonhos lúcidos compartilhados entram na comunicabilidade dos sonhos. São as possibilidades de comunicação dos sonhos entre os sonhadores.
Corrente. Na linguagem corrente sonhos compartilhados são equivalente a ideais compartilhados, vidas compartilhadas, lutas compartilhadas. As pessoas não aceitam muito a idéia de termos experiências oníricas compartilhadas.
Imagem. No sonho compartilhado a imagem onírica é dividida por dois ou mais sonhadores. As características próprias das imagens oníricas por si só desvendam as complexidades da imagem onírica compartilhada. Para os sonhadores lúcidos trabalhar com os sonhos compartilhados faz parte da sua ascensão onírica. As propriedades da imagem onírica são:

1. Divisibilidade. Ela pode ser dividida, mantendo as suas propriedades originais, como em um filme holográfico,
2. Comunicabilidade. Ela comunica-se das mais diversas formas com os sonhadores nos diversos planos de atuação da mente.
3. Proporcionalidade. Cada sonhador recepciona a imagem onírica na proporção de sua inteligência onírica.
4. Intersubjetiva. A imagem é retroalimentada com as subjetividades dos sonhadores, como um todo.

Onirocrítica. Para a onirocrítica os sonhos compartilhados lúcidos entram nos seguintes fenômenos estudados, pesquisados:

1. Sonho lúcido sem sonho
2. Sonho lúcido máximo
3. Sonho iniciático
4. Experiência da quase morte
5. Contato imediato de 5º grau
6. Idéias simultâneas
7. Localidades oníricas
8. Sociologia onírica
9. Antropologia onírica
10. Psicologia dos sonhos
11. Personagens oníricos
12. Enredo dos sonhos
13. Idéias vindas dos sonhos
14. Solução de problemas
15. Aparição intervivos.
16. Encontro com os desencarnados em sonhos
17. Sonho ativo compartilhado

Especial. Tipo de compartilhamento especial é o do sonhador com o aluno nota 10 ou sonhador lúcido máximo, aonde são aprendidas grandes lições ou realizadas magnas tarefas para o progresso da escola da vida no planeta terra. Também entra nessa categoria o sonho compartilhado sem sonho com os próprios alunos nota 10 ou com os professores da escola da vida nos sonhos. A rememoração, nesse caso é o ponto chave, quanto melhor a rememoração melhor é o aproveitamento da experiência. Por exemplo, Leonardo da Vinci teve vários experiências de sonhos compartilhados com os alunos nota 10 e professores da vida nos sonhos com uma excelente rememoração e com os resultados que conhecemos. Muitos outros sonhadores tiveram essas mesmas experiências, mas com resultados diferentes.
Sonhozinhos. Esse é um caso de sonho compartilhado, mas podemos ter o caso de sonhozinhos compartilhados, aqueles sonhos característicos da entrada nos sonhos ou saida dos sonhos, às vezes confundidos com imagens hipnagógicas. Certa vez uma amiga contou-me o caso mais o menos o seguinte "estava na praia com uma amiga, daquele tipo de amiga inseparável, as duas estavam cochilando, imediatamente as duas acordaram e falaram a mesma coisa, para que um amigo delas fechasse a porta do carro", um caso de sonhozinho compartilhado.
Problema. Em um sonho compartilhado temos o problema da rememoração que pode ser:

1. dos dois participantes - é um dos elementos componentes dos sonhos compartilhados a rememoração conjunta, podendo até ser fragmentária, parcial, pequena. Ex. em uma festa os dois participantes rememoram os acontecimentos da festa, ou um deles se lembra que esteve em uma festa com o outro sonhador;
2. de um participante - nesse caso temos que entender que se trata de rememoração conjunta, mas fragmentária de um dos sonhadores, assim um pode sonhar com a pessoa discutindo um assunto e o outro apenas se lembrar de algo relacionado com o assunto, por exemplo, o sonho é uma festa- um sonhador rememora o encontro na festa, o outro rememora muitas pessoas se divertindo.
3. de nenhum participante - rememoração apenas de fatos periféricos relacionados ao sonhos - os dois sonham com eventos festivos. .

Complexidade. Devido ao nível de complexidade envolvido, acredito que o sonho compartilhado, só ocorra no nível lúcido, nas formas mínima, média e máxima. Os sonho compartilhados não lúcidos enrariam como sonhos telepáticos, mais simples, memos comlexos.
Ruído. Na forma mínima ocorreria um ruído telepático entre os sonhadores, seria um sonho com a consciência periférica. Na forma média seria como um sonho compartilhado comum. Na forma máxima haveria a plenitude de lucidez de ambos os sonhadores, o que torna o fenômeno bem raro. Defendo a tese que todos os sonhos lúcidos máximo sejam compartilhados.
Projeto. Há um projeto patrocinado pelo “Club de los Onironáutas” que reune sonhadores lúcidos que vão se encontrar no mundos dos sonhos, sem se conhecerem previamente, em um determinado lugar, com as cooordenadas, e depois vão confrontar os resultados. È uma mistura de sonhos lúcidos compertilhados e sonhos programados.
Gnose. Um venerável mestre da Gnose conta que teve um encontro com o seu Mestre em sonhos e marcaram um encontro na vigília ativa em um deterninado endereço. Mas quando foi ao local o seu mestre estava la, na vigília ativa, mas não o reconheceu.
Aplicações. Eis aqui aplicações lógica dos sonhos compartilhados

1. Sacerdotes. Em sua forma transpessoal, os sacerdotes egípcios utilizavam na experiência da iniciação, na prova do sarcófago. Esta prova consistia na imersão do candidato em um sarcógago por peíodo de até três dias. Quando o candidato sai do sarcófago ele narrava uma série de experiência oníricas de alta complexidade, das quais sonho compartilhados
2. EQM. Alguns casos de experiência da quase morte são sonhos compartilhados com aluno nota 10, que aparece como o ser de luz. Também a caso em que sonahdores participam, como observadores, testemunhas, de EQM de amigos.
3. Teta. Os outros caso seriam sonhos compartilhados com personagens do sonho lúcido teta. Nesse tipo de sonho compartilhado um dos polos da experiência é um agente teta ou desencarnado. É o famoso encontro com os mortos, faleciods, desencarnados, em sonhos, que a maioria dos sonhadores, em algum momento de suas vidas, já sonharam. Monroe narra encontros desses tipos em seus cursos.
4. Criativos. Muitos sonhos criativos da humanidade foram sonhos compartilhados com alunos nota 10 ou nota 9,5 com baixo poder de rememoração ou rememoração fragmentária pelo sonhador alvo desses altos alunos. Um exemplo é sonho que Hermes Trimegisto teve aonde recebeu os princípios do hermetismo. Ou na Biblia quando hvia sonho com o Senhor, como narra Salomão, ou sonho com anjos.
5. Intervivos. Um caso especial de sonho compartilhado é o da aparição intervivos, onde o sonhador na vigília onírica aparece para uma pessoa na vigíia ativa, um “fantasma” de vivo. Ao longo da história e na hageologia católica são narrados vários casos de sonhos compsrtilhados na vigília ativa ou aparição intervivos.
6. Ativo. Reza a teoria do sonho ativo que a vida ativa, a vigíia ativa é uma espécie de sonho. Os sonhos compartilhados na vigília ativa corrobariam essa teoria e explicaria a comunicabilidade entre os sonhadoe an vigília ativa
7. Coletivo. A idéia de inconsciente coletivo, arquétipos descrita por Jung, esta relacionada com os sonhos compartilhados. Ele percebeu as nuances, contorno, linhas gerais do fenômeno utilizando uma ferramenta inapropriada para entendê-lo adequdamente, mas foi um grande avaço parqa a época.
8. Reservatório. O budistas defende a idéia de um reservatório cósmico aonde estão armazenadas as experiências dos seres humanos. Isso explicaria os poderes paranormais, segundo essa visão. Note-se a aproximação com a idéia de sonho comparilahdo.
9. Antropologia. Existe uma teoria a partir da antropologia dos sonhos de que só haveria um sonho o sonho da humanidade. A noção de sonho compartilhado aclar mehor essa idéia. O sonho da humanidade é a soma dos sonhos compartilhados de toda a humanidade.
10. Sonhado. Um pesquisador alemão defende a idéia de que não sonhamos, e, sim somos sonhados, não teríamos um sonho e sim o sonho nos teve. Somos uma espécie de médium dos nossos sonhos, os sonhos compartilhados ou objetivos mostram uma componente de verdade dessa afirmação.
11. Idéias. Muitas idéias vindas dos sonhos são frutos de sonhos compartilhados. Na idéia vinda dos sonhos o sonhador tem um sonho com um produto, serviço, insigth, invento, criação, que ele traz para a vigília ativa. Muitas dessa idéias foram aperfeiçoada por outros sonhadores que passaram para esses sonhadores-receptores
12. Sociologia. A análise sociológica fica incompleta, em alguns casos, como por exemplo, a opinião pública, sem a adição dos sonhos compartilhados. Um grupo de sonhadores tem sonhos compartilhados mínimos e trazem para a vigília ativa e, somado a outros elementos sociológicos tem se a formação da opinião pública.
13. Antropologia. No caso da antropologia comum podemos encontrar os fenômenos das idéias paralelas e as instituições. Por exemplo, certos ritos são encontrados em tribos sul americanas e tribos do pacífico, sem que se conhecessem previamente e que tivessem qualquer tipo de contato. Os sonhos compartilhados explicariam parte desse fenômeno.
14. Política. Por hipótese pode supor que políticos utilizem os sonhos compartilhados para, como na formação de opinião pública, utilizar os sonhos compartilhados para inculcarem as suas idéias políticas nos eleitores, para o bem ou para o mal.
15. Educação. Os casos de cursos oníricos narrados pelos sonhadores lúcidos são casos e sonhos compartilhados. Por outro lado os alunos na vigília ativa, também são ensinados à noite através de sonhos compartilhados com rememoração mínima.
16. Contato. No contato de 5º grau os sonhadores em sonho compartilhados com seres de outros planetas. Cientificamente isso ainda não foi provado, assim como a comunicação com os mortos, mas aceito como hipótese de trabalho.
otavio aquino

2 comentários:

Reuven Valens disse...

Estudando o material de vcs, e fazendo uma análise dos meus "fenômenos", descobri que poucos são os sonhos lúcidos que tenho. Acredito que até os meus pesadelos também não chegam a ser.

Mas, dentro da Projeciologia, eu achei algumas respostas. E estou aprofundando-me nesta área.

Espero que vcs continuem a postar mais estudos. Acredito esses fenômenos ou manifestaçoes que tenho estejam interligados.

Alberto Studart disse...

http://www.slideshare.net/Alstudart/um-sonho-compartilhado-9880521

Meu conto